/Vinho do Algarve: a caminho da internacionalização
Algarve Wines

Vinho do Algarve: a caminho da internacionalização

Vinho do Algarve: a caminho da internacionalização

O NERA (Associação Empresarial Região do Algarve), em conjunto com a Universidade do Algarve, promoveu uma ação de divulgação de produtos regionais, tendo a internacionalização das PME algarvias como principal objetivo. A iniciativa teve o vinho como um dos produtos em destaque, e contou com a presença e colaboração da CVA (Comissão Vitivinícola do Algarve) e também de vários produtores locais, como a Quinta da Tôr.

Além de uma mostra de produtos regionais que aconteceu no pavilhão do NERA, em Loulé, a iniciativa (no âmbito do projeto Internacionalizar mais Algarve) incluiu também a visita de empresários do setor agro-alimentar a diversas quintas da região. Tendo como objetivo futuro a exportação para vários países europeus, como Alemanha, França e Suécia, os empresários puderam visitar as instalações “in loco”, conhece as condições de produção e armazenamento e também provar as colheitas mais recentes.

O Algarve, uma região de vinho

O Algarve é associado a praias, golfe e turismo em geral, mas não propriamente a vinho. Alguns dirão que os vinhos produzidos por Cliff Richard são apenas um devaneio ou um hobby de um estrangeiro apaixonado pela região (que até colocou a propriedade à venda, recentemente). É provável que, dadas as dimensões reduzidas das áreas de exploração, a região nunca venha a ter a notoriedade do Douro ou do Alentejo. Contudo, contudo vir a ser uma marca reconhecida pela alta qualidade dos seus vinhos raros. Algo como Bucelas ou Colares, mas numa escala maior.

Algarve Wines

A região demarcada surgiu em 1980 e dispõe atualmente de quatro regiões DOC (Denominação de Origem Controlada): Tavira, Lagoa, Portimão e Lagos. Trabalhando com várias castas, os produtores virão a dar destaque à casta Negra Mole, que sendo natural da região poderá dar origem a vinhos de grande qualidade e, acima de tudo, diferentes.

Numa entrevista recente, Mário Santos, responsável pela Quinta da Tôr, apontava que o primeiro passo seria vender ao turista, mas que a internacionalização seria o caminho a seguir.

Passo a passo, é bem possível que o Algarve venha a conseguir mais um rótulo de qualidade para o seu futuro turístico. De resto, podemos acrescentar que o trabalho de Cliff Richard deu frutos – a sua adega foi a primeira da região a conseguir medalhas no International Wine Challenge (Londres).