/Franceses e suecos visitam um Algarve mais seguro

Franceses e suecos visitam um Algarve mais seguro

Franceses e suecos visitam um Algarve mais seguro

Hoje trazemos duas notícias recentes que se revelam muito positivas para o presente e o futuro do Algarve turístico.

França e Suécia dirigem-se ao Algarve em março

De acordo com o Região Sul, a ocupação hoteleira no Algarve desceu 0,1%  em março de 2019 relativamente ao mês homónimo – ou seja, manteve-se praticamente inalterada. O número mantém-se em linha com a tendência do ano, com o primeiro trimestre a mostrar uma subida ligeiríssima, de apenas 0,5% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

Contudo, estes números não mostram uma alteração importante, revelada pela discriminação por nacionalidade feita também nas estatísticas fornecidas pela Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). Em março, o número de visitantes suecos cresceu 47,3%, enquanto os franceses representaram mais 20,5%.

Estas subidas compensaram as descidas verificadas nos mercados irlandês (-12,9%), português (-15,7%) e espanhol (-37,0%).

De acordo com a AHETA, citada pela Região Sul, o facto de o período da Páscoa se situar em Abril deverá ser tido em conta ao avaliar o comportamento do mês de março, desvalorizando portanto a ligeira perda verificada. Em todo o caso, é de salientar que o reforço dos mercados francês e sueco poderá representar o início de uma tendência a médio e longo prazo, principalmente por parte dos visitantes franceses que se vêm assumindo também como um mercado importante em termos de investimento em imobiliário.

Criminalidade em baixa

Talvez os níveis de segurança estejam a contribuir para a atração de visitantes estrangeiros em maior número. De acordo com o Sul Informação, o Relatório Anual de Segurança Interna relativo a 2018 mostra que a criminalidade violenta e a criminalidade geral diminuíram no Algarve. As maiores descidas foram verificadas no carteirismo (-20%) e na condução com taxa de álcool superior a 1,2 g/l (-16,3%), que se mantém como o crime mais frequente.