/Algarve “mostra-se” na Volta à região em bicicleta

Algarve “mostra-se” na Volta à região em bicicleta

Decorre entre 19 e 23 de fevereiro mais uma edição da Volta ao Algarve em Bicicleta, uma das primeiras provas da época velocipédica internacional. O turismo do Algarve, através da Região de Turismo (RTA) e da Associação de Turismo (ATA), vai patrocinar mais uma edição da Volta, reconhecendo o grande potencial de visibilidade mediática que traz à região.

De acordo com João Fernandes, presidente de ambos os organismos, em declarações à Publituris, a volta “leva a região a mais de 100 países e 150 milhões de lares em todo o mundo”. Além disso, ajuda a “reforçar o posicionamento do destino” no mercado português – como que “lembrando” ao país que o Algarve existe, a Primavera já se aproxima e poderá ser hora de começar a reservar férias.

O potencial do ciclismo enquanto ferramenta de divulgação

É bem conhecido o potencial do ciclismo, através das transmissões televisivas, para a promoção de um país ou região. Há muitos anos que é corrente, entre os telespectadores portugueses da Volta à França, o espanto pelo aspeto organizado e limpo das estradas francesas por onde passa a prova – algo que gostariam de emular no seu próprio país. De resto, a Volta à França é uma poderosa ferramenta de marketing no sentido de divulgar as diversas potencialidades turísticas do país e renovar o charme do país enquanto marca.

Sem ter o mesmo impacto da Volta à França, a Volta a Portugal em Bicicleta e a própria Volta ao Algarve (cada uma à sua escala) dão a sua contribuição para a estratégia de promoção turística nacional.

O próprio facto de a prova se realizar em fevereiro contribui para promover o Algarve enquanto região de clima ameno no inverno e quente no verão. A nível internacional, os eventos desportivos realizados em países quentes (nomeadamente no Médio Oriente) acontecem geralmente no inverno do hemisfério Norte.

Impactos diretos

João Fernandes acrescentou ainda que, em 2019, o evento “proporcionou cerca de 25 horas de visibilidade” e gerou “um retorno mediático de 9 milhões de euros”.
Mas há também que considerar o próprio impacto directo na prova, importante para a hotelaria pelo facto de se realizar na época baixa. Em fevereiro de 2019, os hotéis do Algarve tiveram um aumento de 15,5% no número de estadias internacionais.

A prova reunirá cerca de 1000 ciclistas (incluindo 25 atletas do top 100 mundial) e “doze equipas do WorldTour, a primeira divisão do ciclismo internacional”, ainda segundo a Publituris.