/Turismo: Receitas do Algarve aumentam 4,7%

Turismo: Receitas do Algarve aumentam 4,7%

Turismo: Receitas do Algarve aumentam 4,7%

As receitas provenientes do turismo no Algarve aumentaram 4,7% em 2018 relativamente ao ano anterior, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). De acordo com o jornal Barlavento, o Algarve conseguiu um total de 1081 milhões de euros (ultrapassando a “barreira psicológica” dos 1000 milhões), representando uma quota de 30% do total nacional.

O número de hóspedes aumentou também mas apenas 1,5%, fixando-se em 4,2 milhões. Quanto ao número de dormidas, verificou-se um ligeiro recuo (-1%). O tráfego de passageiros no aeroporto de Faro acompanhou de perto a evolução do número de dormidas, registando-se uma quebra de 0,5%.

Em linha com dados divulgados por outras entidades anteriormente, o INE registou a quebra de diversos mercados internacionais. No aeroporto, o Reino Unido (-5,7%) e a Holanda (-6,1%) enviaram menos turistas. Compensaram a França (26%), a Itália (mais de 200%, estando os italianos a “descobrir” a região pela primeira vez) e o próprio mercado interno, com uma subida de 8,7% no número de portugueses que demandam o aeroporto farense.

Ainda de acordo com o Barlavento, o presidente da Região de Turismo do Algarve, João Fernandes, congratulou-se com o resultado anunciado pelo INE. O presidente salientou o facto de 2017 já ter sido “o melhor ano de sempre do turismo na região” e ainda as perspetivas negativas que se anteviam para 2018, em face da recuperação de destinos turísticos concorrentes e da dificuldade em repetir um ano muito forte.

Posicionamento “premium”

Mais do que o aumento puro da receita, importa salientar as condições em que este aumento da receita foi conseguido. Se as receitas aumentam 4,7% num contexto em que o número de hóspedes apenas cresce 1,5% e as dormidas até recuam, isto significa que o Algarve não contou com o número, a quantidade, as “massas” para aumentar os seus proventos. Foi à qualidade, ao valor acrescentado e ao progressivo posicionamento “premium” que a região foi buscar esta interessante e importante conquista.

A valorização do Algarve, em termos turísticos e imobiliários, está claramente para ficar.