/Taxa turística no Algarve: setor discorda
Taxa Turistica no Algarve

Taxa turística no Algarve: setor discorda

Taxa turística no Algarve: setor discorda

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) decidiu-se pela imposição de uma taxa turística, no valor de 1,5€ e do qual estarão isentas crianças até aos 12 anos, em cada dormida nos hotéis dos concelhos da região. A medida ainda deverá ser aprovada pelas Assembleias Municipais de cada concelho, mas espera-se que vá entrando sucessivamente em vigor em toda a região.

A Região de Turismo do Algarve (RTA) e as associações de empresários do setor discordam da medida. O presidente da RTA, João Fernandes, elencou um vasto conjunto de argumentos contra a taxa turística. São os seguintes:

– a decisão é tomada numa altura em que vários mercados concorrentes da área do Mediterrâneo estão em fase de retoma (Turquia, Tunísia, etc.), e que não aplicam taxa semelhante.

– o “Brexit” veio, através da desvalorização da libra, diminuir o poder de compra do mercado britânico, tradicionalmente o mais importante para a região algarvia. Não se se prevê que o processo venha a ser revertido.

– a taxa turística não tem em conta o perfil turístico do Algarve, para estadias prolongadas, ao contrário do que acontece nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto onde tipicamente o turista fica um fim de semana ou poucos dias.

– Recentemente, faliram várias companhias aéreas (Monarch, Air Berlin, etc.) que faziam a ligação entre o Algarve e importantes mercados como o Reino Unido e a Alemanha. Novamente, a taxa parece uma decisão em contraciclo com a realidade atual.

O presidente da RTA apontou ainda, em declarações ao Observador, a sua estranheza pelo facto de a taxa poder entrar em vigor numa data diferente em cada concelho, o que pode criar distorções a nível regional.

De acordo com o Observador, o presidente da RTA disse ainda que a sua opinião é compartilhada pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) e pela Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AIHSA). Tendo em conta os argumentos expostos, é fácil de acreditar que sim.