/Britânicos estão a gastar mais em Portugal

Britânicos estão a gastar mais em Portugal

Ao contrário do que seria de esperar, dada a incerteza económica trazida pelo processo de saída do Reino Unido da União Europeia, as receitas do turismo provenientes do mercado britânico estão a aumentar. Segundo o Banco de Portugal, no primeiro trimestre de 2019, este indicador cresceu 10%.

De acordo com a Rádio Renascença, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, apontou as “campanhas específicas de promoção de Portugal que têm sido feitas no Reino Unido” como estando, pelo menos parcialmente, na base deste sucesso. A governante falava à margem do Fórum de Turismo Interno, “Vê Portugal”, a decorrer em Castelo Branco.

Vários mercados a subir

A mesma notícia dá conta de que há outros mercados cujos valores próprios de “despesa turística” em Portugal também cresceram no primeiro trimestre, nalguns casos de forma acentuada:

– Estados Unidos (37%)

– Itália (20,8%)

– Brasil (12,4%)

-Irlanda (12,9%)

A secretária de Estado acrescentou também que o recente Salão Imobiliário de Paris denotou um interesse considerável pelo mercado português, enquanto destino de investimento de segunda habitação. Ana Mendes Godinho acrescentou um dado importante a ter conta nos cálculos relativos ao primeiro trimestre: o facto de a Páscoa, em 2019, ter sido em abril, levando a que as receitas dos turistas espanhóis – um mercado tradicionalmente forte em Portugal neste período – venham a ser contabilizadas apenas para o segundo trimestre.

Tendo em conta que as receitas turísticas, a nível global, cresceram 5,3% em relação ao período homólogo de 2018, mesmo sem Páscoa, há razões para considerar o índice como bastante positivo. Em 2018, a Páscoa foi no dia 1 de abril, dividindo as receitas por ambos os trimestres (sendo que a Semana Santa se situou ainda no primeiro trimestre).

Demissão de Theresa May

O anúncio da demissão de Theresa May, divulgado pela própria no passado dia 24 de maio, não deverá constituir um fator de incerteza suplementar em relação ao imbróglio em que o Reino Unido se encontra relativamente ao Brexit. À data em que este artigo é redigido, ainda não se conhece o nome do seu sucessor.