Web Summit em Portugal por mais 10 anos: uma mensagem simples

Esta semana foi anunciada a extensão do acordo entre o Governo português e a Web Summit por mais 10 anos. Tanto o primeiro-ministro, António Costa, como o CEO da Web Summit, Paddy Cosgrave, se mostraram extremamente satisfeitos com o acordo alcançado.

Decisão polémica?

Num país democrático, uma decisão política desta natureza gera imediatamente alguma discussão. A oposição questiona os valores envolvidos, e os críticos “de base”, nos cafés e nas redes sociais, apontam para o “show off” que o primeiro-ministro pretende trazer. Já o Governo e os seus apoiantes apontam para a necessidade de manter Portugal no centro das decisões mundiais sobre tecnologia, pois é fundamental que o país não fique à margem do progresso – como tantas vezes aconteceu, especialmente nos últimos três séculos.

Certeza: o país quer continuar a trazer turistas

É certamente discutível se a presença da Web Summit trará a Portugal os benefícios que se esperam em termos de empreendedorismo tecnológico. Seguramente que está sujeita a debate a possibilidade de o Governo ter pretendido conquistar algum capital político com uma medida que se supõe positiva.

Aquilo que é um facto absoluto, e que não pode ser posto em causa, é que esta decisão reflete o consenso nacional sobre a vocação turística de Portugal. A mensagem que o Governo quer transmitir, para o exterior e para o próprio país, é simples: “queremos continuar a receber pessoas. Queremos que Lisboa continue a ser um fórum mundial onde todos possam chegar e ser bem acolhidos. Isto é uma mais valia pra nós, e queremos ser uma mais valia para o mundo.”

Goste-se ou deteste-se, a Web Summit é uma “feira” com um alcance extraordinário, e de nível mundial. Mesmo que não traga empresas ou não crie empregos tecnológicos, a presença da feira gera sinergias, contactos, possibilidades de negócios, e muitas pessoas a circular por Lisboa, familiarizadas com Portugal.

A decisão não podia estar mais alinhada com a vocação turística de Portugal para os próximos anos.