/O turbilhão do Brexit visto de Portugal
Brexit flag with Portugal and UK

O turbilhão do Brexit visto de Portugal

O turbilhão do Brexit visto de Portugal

A semana que passou revelou-se o momento mais difícil para Theresa May desde que tomou posse como primeira-ministra do Reino Unido, com a “missão” de preparar o país para a saída da União Europeia, na sequência do voto do referendo de junho de 2016. No momento em que este artigo é escrito, é incerto se o governo durará muito mais tempo, na sequência da moção de censura prometida por um deputado do seu próprio partido. Nada menos que seis elementos do seu governo demitiram-se, em protesto contra o que consideram ser as condições inaceitáveis (para o Reino Unido) do acordo alcançado com a União Europeia para regular o pós-Brexit.

Alguns dizem que este é o momento politicamente mais sensível e instável vivido pela Grã-Bretanha desde o final da Segunda Guerra Mundial.

 

As relações bilaterais entre Portugal e o Reino Unido

Em Portugal, as tensões políticas existem a nível interno em alguns partidos, mas externamente existe um grande consenso sobre um número de questões essenciais. A pertença à União Europeia é uma delas. De forma subsidiária, a importância da relação com o Reino Unido é outra.

Diversos membros do governo, em especial o ministro Augusto Santos Silva e o primeiro-ministro António Costa, vêm relembrando a importância de manter laços bilaterais fortes com o Reino Unido após o Brexit. O país é um importante parceiro económico e comercial, e a presença de uma importante comunidade britânica em Portugal (presente e… futura, tendo em conta o interesse que o mercado imobiliário continua a suscitar por terras de Sua Majestade) será devidamente tida em conta pelas autoridades portuguesas.

De resto, esta é uma questão que não deverá sofrer alterações com um futuro governo de diferente cor partidária, uma vez que o assunto é perfeitamente transversal e consensual nos partidos e na sociedade portuguesa.

Os nossos mais antigos aliados sabem que continuarão a ter em Portugal um parceiro sólido e estável, independentemente das circunstâncias.